Friday, July 08, 2005

A2: A Pesquisa Astrológica na UnB.

Já faz muitos anos, mas especialmente no século XX, que a Astrologia tem sido pesquisada com tentativas de abordagens científicas mais ou menos felizes. O francês Michel Gauquelin é um dos mais famosos nessa tentativa e sua "obra prima" teria sido a verificação estatística de certas posições dos planetas do sistema solar, na "eclíptica" e certas carreiras profissionais ou esportivas de ponta.

Gauquelin é citado entusiasticamente, por exemplo, no livro "Em Defesa da Astrologia", em tradução de Marcelo Borges, pela editora Siciliano e da autoria do egiptólogo John Anthony West. Gauquelin também é mencionado pelo astrônomo e acadêmico britânico Percy Seymour em seu livro Astrologia - a evidência científica (Astrology - the scientific evidence), traduzido pela editora Nova Era e editado por Waldemar Falcão. Gauquelin é visto com mais reserva. Seymour chega mesmo a citar uma repetição das experiências de Gauquelin, nas quais os resultados estatísticos esperados não foram encontrados (Seria como repetir uma receita de um bolo e o bolo não ficar bom, o que poderia levar o cozinheiro a duvidar da veracidade da receita). Em seu livro, no entanto, Seymour atribui às flutuações do campo geomagnético da Terra uma hipótese para esse resultado inesperado. De fato, Seymour acredita poder derivar um modelo cosmomagnético de ressonâncias de campo dentro do Sistema Solar para explicar os resultados obtidos por Gauquelin e essa foi a primeira vez que eu vi alguém propor um modelo físico para tentar explicar os fenômenos astrológicos.

A metodologia abordada pela Universidade de Brasília, sob liderança do astrólogo Francisco Seabra, segue uma linha diferente da de Gauquelin ou da de Seymour. O primeiro não conseguiu isolar variáveis humanas para verificar as técnicas da Astrologia tradicional, o segundo seria, isto sim, um cientista teórico que tentou elaborar modelos para explicar os resultados de Gauquelin, mas a verdade é que ambos desacreditaram da validade das idéias tradicionais da Astrologia.

Muitas vezes a televisão e outros setores da imprensa tratem com certos sensacionalismos essas notícias. Não faz muito tempo, por exemplo, que Pedro Bial "enterrou" definitivamente a Astrologia numa chamada do Fantástico, usando o peso da ciência como argumento de autoridade. Poucos meses depois, o mesmo Fantástico apresentava uma matéria especial sobre a pesquisa realizada na UnB e seus resultados relativamente positivos.

Mas quanto a metodologia usada na UnB, não é de todo novidade, embora haja ali algo de interessante que eu ainda estou tentando definir, talvez seja a idéia dos diários dos voluntários. Mas eu ainda não sei, mesmo por que os próprios pesquisadores indicaram que trabalhar com esses diários não foi fácil.

O astrólogo baiano Alexey Dodsworth cita a Física Quântica de um modo um tanto suspeito em suas idéias publicadas pela Constelar, mas faz algumas reflexões interessantes acerca do trabalho de Gauquelin, há algumas idéias de Alexey das quais eu não gostei muito, ou talvez até nem um pouco, mas ainda assim deixo aqui o link. Em se tratando de Astrologia e de astrólogos (e, principalmente, da imprensa e dos cientistas abordando o assunto), precisamos ter paciência. Estamos todos ainda aprendendo:

http://www.constelar.com.br/constelar/85_julho05/alexey1.php

(Advertência: Esse texto de Alexey é longo.)

Agora em agosto, ocorrerá um encontro de cientistas e astrólogos na UnB, e eu ainda não sei se conseguirei participar, embora tenha sido convidado a me inscrever. Esse trabalho da UnB está diretamente vinculado a esse encontro. Deixo aqui um link. E até a próxima vez em que eu tocar nesse assunto:

http://www.astroarte.com.br/pesquisa.html

1 comment:

Guy taillade said...

Henrique,
Essa metodologia dos diários, sabe se tem algo a ver com as biografias na pesquisa da Astrocaracterologia de Olavo de Carvalho?
Parece que além de biografias de escritores, ou outras celebridades da intelectualidade ou estadistas, havia esse intuito de os alunos fazerem a sua própria biografia.